Agenda · 2014

O amor dos infelizes

28 de Novembro a 22 de Janeiro

ESTREIA ABSOLUTA

A partir de texto de Valter Hugo Mãe

Adaptação e encenação Ana Luena

Com Margarida Gonçalves

Parceiros Mala Voadora , CAAA , Circolando

Encenação e adaptação Ana Luena

A partir de texto de Valter Hugo Mãe

com Margarida Gonçalves

Música original Peixe

Desenho de luz Rui Monteiro

Produção executiva Luís Puto e Marta Amaro

Criação e produção Teatro Bruto

Parceria CAAA, Mala Voadora

Apoio Circolando

27 de outubro a 21 de novembro de 2014

Ensaios e residência

Circolando, Porto

22 a 27 de novembro de 2014
Residência de criação em Guimarães

28 e 30 de novembro de 2014
Antestreia
CAAA, Guimarães

10 a 14 de dezembro 2014
Estreia e carreira
Mala Voadora
Rua do Almada, 277, Porto

Digressão

22 Janeiro 2015

Salon Teatro, Santiago de Compostela

dur. 45 minutos

M/14

Sessões para grupos escolares organizados, manhã ou tarde, em horário a combinar:

27 e 28 de novembro, Guimarães

11,12, e 13 dezembro, Porto

Estas sessões estão sujeitas a marcação prévia.

Informações, reservas e marcações de grupos:

[email protected]

937970108

(das 15h ás 19h)

O amor dos infelizes

Um dos aspectos que mais distinguem a relação entre o Teatro Bruto e Valter Hugo Mãe é o desenvolvimento de um trabalho conjunto de reflexão e criação, anterior à escrita dos textos, que ocorre habitualmente em residências artísticas que reúnem o escritor e o núcleo de criadores da companhia.

Para além da sua colaboração como autor, Valter Hugo Mãe participa também noutros projectos promovidos pelo Teatro Bruto, quer sejam de criação original da companhia quer surgidos ou inspirados em projectos pessoais do autor – como é o caso das leituras encenadas dos seus textos.

O amor dos infelizes , constrói-se a partir de uma adaptação cénica do segundo capítulo do romance O filho de mil homens , de Valter Hugo Mãe. Margarida Gonçalves, presença regular nos espectáculos da companhia Teatro Bruto, incorpora aqui a figura de uma anã, explorando territórios entre a personagem e o seu narrador, onde é espectadora de si própria e dos acontecimentos da história que narra, e, simultaneamente, veículo dos sentidos mais amplos e complexos que o texto propõe.


Sinopse

Esta é a história de uma mulher anã que vive à sombra da piedade dos habitantes de um pequeno povo do interior. A anã, que apenas mede uns oitenta centímetros, desengonçada e atrapalhada no andar, sempre a gemer de dores, é para as outras mulheres como um ser rasteiro, como uma criança que nunca cresce. “Sem que fosse gente, dizia-se.” A sua existência limita-se, aos olhos dos outros, à sua deformidade, à sua monstruosidade, à intransponibilidade daquele corpo. Vive das sobras das pessoas grandes, do amor possível - o amor dos infelizes.

Descrição

Este espectáculo está desenhado para circular facilmente por diferentes espaços de apresentação, servindo de "cartão de visita" do projecto, global e abrangente, que a companhia tem vindo a desenvolver com o escritor Valter Hugo Mãe. Trata-se de um monólogo que tanto pode ser apresentado em simultâneo com outros espectáculos, como pode ser integrado em formatos mais consentâneos com actividades culturais pontuais, como conferências cénicas e leituras encenadas, podendo, assim, ser vendido e circular em espaços com menos meios técnicos como, por exemplo, festivais e encontros de literatura. A encenação inspira-se no formato da conferência ou palestra sobre este “conto”, afastando-se da obra literária e aproximando-se do universo da oralidade dos contadores de histórias. Este espectáculo pode ser apresentado a um público escolar, neste caso, segue-se ao espetáculo uma conversa com a actriz e com a encenadora.

Newsletter