A Companhia · Equipa

Imagem

Ana Luena

DIRETORA ARTÍSTICA | ENCENADORA RESIDENTE

Encenadora, cenógrafa e figurinista, Ana Luena nasceu em Angola, em 1974. Terminou o Curso Profissional de Cenografia e Figurinos da Academia Contemporânea do Espetáculo, no Porto, em 1995, ano em que iniciou a sua atividade profissional como cenógrafa, figurinista e, posteriormente, como encenadora. Frequentou, em 2007, a 2.ª edição do Curso de Encenação de Ópera da Fundação Calouste Gulbenkian. Em 2011, obtém o grau de Mestre em Teatro/Especialização em Encenação, da Escola Superior de Teatro e Cinema, do Instituto Politécnico de Lisboa.

Colaborou, como cenógrafa e figurinista, com várias instituições e companhias de teatro. Calaborou, desde 2001, em diversos projetos da Casa da Música, destacando-se a assistência de encenação no projeto cénico La Douce, de Emmanuel Nunes.

É fundadora do Teatro Bruto (1995), onde é diretora artística e encenadora residente da companhia. Encenou: O filho de mil homens , romance de Valter Hugo Mãe (também responsável pela adaptação); Comida , Canil e Cratera, as crianças com segredos , textos originais de Valter Hugo Mãe; Estocolmo , Reféns e Nenhures , textos originais de Daniel Jonas; Still Frank (concerto encenado); O Outro , a partir de O Estranho Caso de Dr. Jekyll e Mr. Hyde, em co-encenação com Marta Lapa; Um, ninguém e cem mil, de Luigi Pirandello ; Imundação (Teatro Giz, Faial), Cem Lamentos (Tenda de Saias), e Na hora errada , textos originais de Marta Freitas; Narcisa - um solo com a actriz Margarida Gonçalves; Saturno – Melodia francesa sobre poemas de Paul Verlaine, com direcção musical de Jeff Cohen; Vou Mudar a Cozinha , de Ondjaki; Alter-ego , um filme com argumento de Artur Serra Araújo e realização de José Wallenstein; Boca , de Regina Guimarães e Saguenail, entre outros.

Já colaborou com os músicos Alexandre Soares, Ana Deus, Rui Lima e Sérgio Lima e actualmente com o Peixe.

Tem dirigido várias formações na área de dramaturgia e interpretação, em contexto académico e no trabalho com diferentes grupos das comunidades. Destacando-se:  Laboratório de Interpretação – Projeto Encenado, com apresentação do espetáculo Não Ser Saraiva , a partir de textos de Fernando Pessoa (2013); Dirigiu a produção do 3º ano do curso de Teatro, da ESMAE, com a encenação e adaptação de A Metamorfose , de Franz KafKa (2011); dirigiu o  FCT do 2º ano da Escola de Teatro do Externato Delfim Ferreira, e apresentou Diálogo na Sombra a partir de textos de Fernando Pessoa, na Casa das Artes de Famalicão.


Imagem

Pedro Mendonça

DIRETOR | ATOR RESIDENTE

Nascido no Porto, em 1971, Pedro Mendonça concluiu a ACE em 1995. Viajou para Moçambique, em 1998, onde dirigiu vários workshops de teatro, e para a Suazilândia e África do Sul, onde desenvolveu o projeto Diferentes entre iguais . Como ator, trabalhou, entre outros, com Rogério de Carvalho, Sílvio Purcaret e Óscar Branco. Em 2005, fundou Sete Ventos, um centro de artes e apoio pedagógico para crianças, onde leciona a disciplina de Expressão Dramática. Apresentou, desde 2006, os programas Express tv e Apetites para o Porto Canal. É diretor artístico da Escola de Formação de Atores.

É membro fundador do Teatro Bruto, onde tem participado como ator na maior parte dos seus espetáculos.

Imagem

Rui Monteiro

DESENHADOR DE LUZ

Nascido em Braga, em 1988, Rui Monteiro tem o Curso de Luz e Som da ACE (2008). Trabalhou no Teatro Meridional como responsável técnico e já colaborou com os encenadores Ana Luena, Claúdia Lucas Chéu, Nuno M. Cardoso. João Paulo Costa, António Capelo, Joana Providência, João de Castro, Miguel Seabra, Nuno Pino Custódio, João Brites, Luísa Pinto, Pedro Almendra, Lígia Roque, Marta Lapa, Daniel Pinto, Pedro Filipe Marques e António Júlio. Já colaborou como desenhador de luz com as bandas Couple e Supernada.

Trabalha regularmente para o Teatro Bruto, como desenhador de luz, e foi responsável pelos seguintes espetáculos da companhia: O filho de mil homens; Comida , Cratera, as crianças com segredos e Canil , de Valter Hugo Mãe; Estocolmo e Reféns , de Daniel Jonas; O outro, uma coprodução com a Escola de Mulheres e O que vai na cabeça do menino Manuel , com textos de Manuel António Pina . Trabalha frequentemente como técnico de luz (TNSJ, CCVF). Actualmente colabora com o Bob Wilson, no âmbito de uma bolsa da FCG.

Imagem

Manuela Leitão

RESPONSÁVEL PELA COMUNICAÇÃO

Nascida e criada no Porto, tirou a licenciatura em Ciências da Nutrição, tendo sempre revelado, no entanto, profundo interesse e curiosidade por assuntos muito variados. A docência e a gestão de conteúdos ocuparam a maior parte da sua carreira profissional, tendo trabalhado para o Ministério da Educação como professora de Ciências da Natureza, Matemática e Biologia, e para a Porto Editora como coordenadora e gestora de conteúdos multimédia.

Ao longo dos últimos anos, tem vindo a adquirir experiência, formação e competências em áreas como o desenvolvimento e a revisão de conteúdos, leitura e escrita, teatro, fotografia e ilustração.

Imagem

Margarida Gonçalves

ATRIZ | COLABORADORA DA COMPANHIA

Nascida no Porto, em 1975, Margarida Gonçalves terminou o Curso de Teatro/Interpretação na Academia Contemporânea do Espetáculo, nessa mesma cidade. Frequentou a École Philipe Gaulier, em Londres, e iniciou-se como atriz profissional, em 1995, na Companhia Teatro Bruto.

Trabalhou em produções do Teatro Nacional São João, Companhia de Teatro de Almada, Companhia do Chapitô, Companhia Escola de Mulheres, Companhia Paulo Ribeiro. Colaborou com Joana Providência, Alan Richardson, Peta Lilly, José Carretas, André Riot Sarcey, Marcos Barbosa, José Wallenstein, António Capelo, António Fonseca, Joaquim Benite, Rogério de Carvalho, John Mowat, João Brites, Ana Luena, Marta Lapa, Rafaela Santos, entre outros. Fez assistência ao Movimento na produção, do Teatro Aberto, Uma família portuguesa , encenada por Cristina Carvalhal, e no espetáculo Deserto deserto , encenado por Carlos Avilez, no Teatro Experimental de Cascais.

Imagem

Luís Puto

ATOR| ASSISTÊNCIA DE ENCENAÇÃO | PRODUÇÃO EXECUTIVA


Nasceu em Guimarães, a 31 de julho de 1991. Em 2004, ingressou no grupo de teatro amador Teatro Ensaio Raul Brandão (TERB), sediado no Circulo de Arte e Recreio (C.A.R. — Guimarães). A partir de 2010, colaborou profissionalmente com o grupo Teatro Ensaio (TEATREIA Associação Teatral — Porto), participando em projetos dirigidos por António Durães e Pedro Estorninho. No mesmo ano, ingressou na Escola Superior de Música, Arte e Espetáculo do Porto, em Teatro, variante Interpretação, que terminou em 2013. Aqui trabalhou com António Durães, Inês Lua, Geoff Beale, Luís Varela, Nuno M. Cardoso, Carlos J. Pessoa, Ana Luena, Nuno Preto, Fernando Mora Ramos, João Pedro Vaz, entre outros.
No ano de 2013 fez parte do elenco de " Rosencrantz & Guildenstern estão Morto s", espetáculo de Marco Martins, Arena Ensemble, tendo trabalhado com Beatriz Batarda, Gonçalo Waddington, entre outros.
Ainda em 2013 ingressou no grupo ISO Theater, um projeto da UTE Acadamie pelo Teatro Nacional de S. João.

Em setembro de 2013, começou a colaborar em regime de voluntariado com o Teatro Bruto. No ano de 2014, continuou a colaborar com o Teatro Bruto como ator, assistente de encenação e produção, no âmbito do Estágio Emprego, financiado pelo IEFP.

Imagem

Valter Hugo Mãe

ESCRITOR E DRAMATURGO | COLABORADOR DA COMPANHIA

Angola, em 1971, ano do seu nascimento, estava ainda sob administração portuguesa. A partir dos dois anos de idade, a sua família estabeleceu-se no norte de Portugal, primeiro em Paços de Ferreira, depois em Vila do Conde, onde até hoje vive. Licenciou-se em Direito e é pós-graduado em Literatura Portuguesa Moderna e Contemporânea. Publicou os romances: o nosso reino (2004); o remorso de baltazar serapião , Prémio José Saramago (2006, editado em 2011 no Brasil pela Editora 34); o apocalipse dos trabalhadores (2008); a máquina de fazer espanhóis (2010, editado em 2011 no Brasil pela Cosac Naify); e O filho de mil homens (2011, editado em 2012 no Brasil pela Cosac Naify).

A sua poesia compreende onze títulos, todos esgotados, e encontra-se reunida no volume contabilidade (2010). Escreveu cinco livros ilustrados para os mais novos: Quatro tesouros (2011); O rosto (2010); As mais belas coisas do mundo (2010); A história do homem calado (2009) e A verdadeira história dos pássaros (2009).

Valter Hugo Mãe é vocalista do grupo musical Governo (www.myspace.com/ogoverno). Este projeto editou o ep Propaganda sentimental , com cinco canções, através do selo Optimus Discos. Para o ano de 2013 está previsto o lançamento do primeiro álbum. Escreve a crónica Autobiografia imaginária no Jornal de Letras, uma das mais antigas e prestigiadas publicações culturais portuguesas.

Pública mensalmente, na Playboy portuguesa, um conto erótico.

Sobre o trabalho de Valter Hugo Mãe muito se tem escrito e se tem dito. Foi José Saramago que chamou ao romance o remorso de baltazar serapião um verdadeiro “tsunami literário”. António Lobo Antunes fala de um autor para leitores, e não exatamente para o público. Outras informações sobre o autor podem ser encontradas no facebook (Valter Hugo Mãe – Pag. Oficial) ou em: www.valterhugomae.com

Imagem

Peixe

MÚSICO | COLABORADOR DA COMPANHIA

Portuense, do ano de 1974, estudou Guitarra Clássica, no Conservatório de Música do Porto, e Guitarra Jazz, na Escola Superior de Música do Porto. Frequentou também a Faculdade de Belas Artes desta cidade. Desde 1997 que ensina guitarra em várias escolas de música na zona do Porto.

Foi membro fundador da banda Ornatos Violeta, que é hoje considerada uma das mais importantes bandas portuguesas de sempre, marcando, de forma incontornável, a nova música moderna portuguesa. Com esta, editou os álbuns Cão! e O Monstro Precisa de Amigos, ambos vencedores de prémios Blitz. Após a separação, fundou a banda de rock Pluto, com quem editou o álbum Bom Dia , e a banda jazz DEP, com quem editou o álbum E squece tudo o que aprendeste . Em 2008 criou a OGBE - Orquestra de Guitarras e Baixos Elétricos - com o apoio do serviço educativo da Casa da Música, grupo que continua em funções e do qual é o diretor. Desde 1995 até hoje, participou e escreveu bandas sonoras para peças de teatro e filmes.

No Teatro Bruto foi corresponsável pela composição e direção musical do concerto encenado Still Frank e pela música original no espetáculo Estocolmo , participando como músico em ambos os projetos.

Em 2010 editou o álbum Joyce Alive com a banda Zelig e, em meados de 2012, apresentou o primeiro álbum a solo, Apnei , pela Meifumado.

Imagem

Rui Lima

MÚSICO | COLABORADOR DA COMPANHIA

Nasceu no Porto, em 1981, e é licenciado em Design de Luz e Som pela ESMAE, onde leciona atualmente. Paralelamente, tem participado como compositor musical, juntamente com Sérgio Martins, em espetáculos de artes performativas e videodança, em encenações de Joana Providência, Paulo Calatré, Inês Vicente, Alfredo Martins, João Garcia Miguel, Ana Luena, Jorge Andrade, Victor Hugo Pontes, entre outros. Já apresentou espetáculos em Portugal, Espanha, França, Alemanha, Israel, Brasil e Rússia.


No cinema, realizou as bandas sonoras para o filme de longa metragem Veneno cura (2007), de Raquel Freire, e as curtas metragens Ausstieg e O amor é a solução para a falta de argumento , de Jorge Quintela. Em 2012, prepara o lançamento de um disco, com o projeto Couple, a ser editado nesse mesmo ano.

Imagem

Sérgio Martins

MÚSICO | COLABORADOR DA COMPANHIA
Sérgio Martins nasceu no Porto, em 1982. Depois de completar o Conservatório de Música do Porto, em Guitarra, prosseguiu os seus estudos em Música Eletrónica e Produção Musical, na Escola Superior de Artes Aplicadas, em Castelo Branco, onde estudou com Carlos Guedes, Mário Barreiros, Rui Dias e Gustavo Costa. Simultaneamente, tem participado como compositor musical, juntamente com Rui Lima, em espetáculos de artes performativas e videodança, em encenações de Joana Providência, Paulo Calatré, Inês Vicente, Alfredo Martins, João Garcia Miguel, Ana Luena (Teatro Bruto), Jorge Andrade (Mala Voadora), Rita Lello, Victor Hugo e Miira Sipola, entre outros. Já apresentou espetáculos em Portugal, Espanha, França e Rússia.

No cinema, realizou as bandas sonoras para o filme de longa metragem Veneno cura (2007), de Raquel Freire, e as curtas metragens Ausstieg e O amor é a solução para a falta de argumento , de Jorge Quintela. Em 2012, prepara o lançamento de um disco, com o projeto Couple, a ser editado nesse mesmo ano.
Imagem

Paulo Martins

FOTÓGRAFO | COLABORADOR DA COMPANHIA

Nascido no Porto, em 1981, Paulo Martins completou o Mestrado em Fotografia Documental, no ano de 2011, no Instituto Politécnico desta cidade.
Atualmente, é produtor multimédia para a TVU. Universidade do Porto e freelancer como videasta e fotógrafo.
Imagem

Os Estafermos

estafermo |ê|
(italiano stà fermo , está firme)

in: Dicionário Priberam da Língua Portuguesa


Os Estafermos é um coletivo de dois designers do Porto, ambos designers gráficos, formados na ESAD (Escola Superior de Artes e Design de Matosinhos).
Ambos contam com uma longa experiência em design e web design em várias agências de comunicação no Porto.
Para além da paixão que têm por design, atividade que exercem profissionalmente, tanto um como o outro , nutrem uma enorme paixão pelo Teatro, atividade que, sempre que possível, exercem a nível amador.

Imagem

Rui Sousa

Colaborador | Ilustrador

Rui Sousa nasceu em Valongo, Portugal, em 1980. Licenciou-se em Artes Plásticas/Escultura na  Faculdade de Belas-Artes do Porto. Tem o seu atelier na cidade do Porto.

Para além de colaborador do Teatro Bruto, é Art Director das bandas The Melancholic Youth of Jesus e The Modern Tribes. É cofundador da wedistinct e pug vintage cordboards e fundador do The temporary Studio (atelier de formação de Desenho e Pintura). Criou também as marcas Fairy Tales Illustrated e Quicas. Ao longo dos anos como artista plástico, tem feito inúmeras exposições individuais e coletivas e várias colaborações com diferentes entidades. Tem também desenvolvido trabalho na área do ensino, nomeadamente através da realização de vários workshops e cursos.

O seu trabalho é característico pelo uso do corpo como objeto de estudo e observação, um elemento que pode ser visto de várias perspetivas e abordagens.

Podem visitar o seu atelier na Rua do Almada, 437, Porto.

Site : www.ruisousaartworks.com

facebook: https://www.facebook.com/ruisousaartworks

email: [email protected]

Newsletter